A Idade da Emoção
  

 

na rede

a lua

na sua 

a sede

perfuma

despede

uma

duna

cede

 



Escrito por Priscila Reis às 22h31
[] [envie esta mensagem] []


 
  

eu só posso pedir pra que pare

por favor pare de machucar, estou dolorida

eu só posso pedir para que reflita

nada disso tem sentido, não siga

cuide da sua alma, lave sua vida

eu te ajudo com as feridas

mas pare de estragar uma história tão bonita!

 



Escrito por Priscila Reis às 23h31
[] [envie esta mensagem] []


 
  

aqueles olhos não mais
a face agora é quente
e o coração apertado.



Escrito por Priscila Reis às 00h26
[] [envie esta mensagem] []


 
  

nos livros, nos discos, na poeira,
hoje estou embolorada
o rádio tem o seu encanto ao lado do relógio.
o velho me parece cada vez mais novo
envelheço
o papel tem mais valia
a vitrola mais sabor
a ruga, saudade
dos minutos faceiros
dos anos passarinhos
da menina do vestido rendado.

um brinde ao denovo com a beleza do antes
e a possibilidade do depois

 Lisboa 2010



Escrito por Priscila Reis às 16h55
[] [envie esta mensagem] []


 
  

 Picinguaba 2010

doce é o suspiro da brisa que graceja nos ouvidos "VEM"



Escrito por Priscila Reis às 23h13
[] [envie esta mensagem] []


 
  

quer me dar um presente de natal?

oba, eu quero respeito!

 



Escrito por Priscila Reis às 19h07
[] [envie esta mensagem] []


 
  

para os pés, correria
para as mãos, carinho
e para os olhos, colírio

o amor é para todos

para os loucos, atitude
para os fracos, alegria
e para sempre, amizade

o amor é para quedas

para lembrar, beijo
para sonhar, boa noite
e para acordar, bis

o amor é pra tudo, é para todos

 



Escrito por Priscila Reis às 18h30
[] [envie esta mensagem] []


 
  

deixo aqui minha marca
junto com as roupas, a etiqueta
sem jeito, sem moda
acomodada e pelada
tem manchas que nem esfregando sai
melhor deixar
o tempo amarela
e a gente esfrega
no sol
na cara
na mão

se enxerga
me enxuga
o resto é malha
pra esquentar o coro
pra alimentar o corpo
pra sossegar a alma

 



Escrito por Priscila Reis às 02h47
[] [envie esta mensagem] []


 
  

é preciso ter cuidado
não deixar estragar as coisas
senão tudo fede
e então vc está fudida.

ser mulher não é fácil

 



Escrito por Priscila Reis às 01h45
[] [envie esta mensagem] []


 
  

descobri que meu bicho dorme quando é verão
e no inverno acorda com fome de batalhas de
conflitos tristes e efusivos.
decobri que minha generosidade termina quando
me sinto tola e perdida
descobri que a idade passa, mas a maturidade
pode ir embora antes de amanhecer
descobri que nunca existi. que já morri aqui
junto com a fé, com todos os pecados inventados
pra me julgar, com todos os santos que não quiseram
me apadrinhar, com todos os planos de liberdade à prestação.
sou mais impura agora. sou areia com farinha e oleo diesel
me coma se for capaz.



Escrito por Priscila Reis às 22h24
[] [envie esta mensagem] []


 
  

seus olhos mareiam minha chegada.
eu já não sei o que finjo, se sou estrela do mar, ou um
copo de agua, por tanto amor que desfaleço, não sou mais
nada e nem tem mais sentido voltar.
meu copo está vazio e você me enche cada vez que caio em ti.
és puro quando escolhe desatenção.
estrelas marinhas não caem. elas dormem cobertas de luz, sal,
areia e se embalam em ondas afoitas para meter-se terra adentro.
quando em noites frias sussura palavras febris não tremes,
és puro quando escolhe desatenção.
emaranhe antes de acordar amanhã
emaranhe antes de percorrer sete mares
emaranhe em mim sua terra. é lá que aceito ser sereia.

 



Escrito por Priscila Reis às 01h17
[] [envie esta mensagem] []


 
  

compartilhar idéias
conectar você no meu perfil
seja bem vindo
entre

me veja
mas seja você
o que planeja

na foto ou no fato
mantenha contato
experimente
saia da sala
arraste os pés
noutra pagina
em outros sítios

salve seu endereço
voce pode perder
a chave de segurança
mas nunca a chave de casa

 



Escrito por Priscila Reis às 00h15
[] [envie esta mensagem] []


 
  

boa noite

saudade do azul
da aurora boreal
e do sol incandescente

me ilumina dia
pra eu ser à noite



Escrito por Priscila Reis às 02h28
[] [envie esta mensagem] []


 
  

(foto Vânia)

Tudo é canto. Os sons se sacodem, berram, lutam, arrebentam no ar sonoro dos ventos, vaias, klaxons, aços estrepitosos. Dentro dos sons movem-se cores, vivas, ardentes, pulando, dançando, desfilando sob o verde das árvores, em face do azul da baía no mundo dourado. Dentro dos sons e das cores, movem-se os cheiros, cheiro de negro, cheiro de mulato, cheiro branco, cheiro de todos os matizes, de todas as excitações e de todas as náuseas. Dentro dos cheiros, o movimento dos tatos violentos, brutais, suaves, lúbricos, meigos, alucinantes. Tatos, sons, cores, cheiros se fundem em gostos de gengibre, de mendubim, de castanhas, de bananas, de laranja, de bocas e de mucosas. Libertação dos sentidos envolventes das massas frenéticas, que maxixam, gritam, tresandam, deslumbram, saboreiam na unidade do prazer desencadeado.”

 

(Graça Aranha)



Escrito por Priscila Reis às 00h00
[] [envie esta mensagem] []


 
  

amortecendo a queda
coberta de pelos
espero alvorada
pulsilânime
amordaço crua
sua pilhéria
minha piada
faz um favor
me pindura no muro
pra ver se eu viro concreto

 



Escrito por Priscila Reis às 23h13
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, Mulher, de 20 a 25 anos

HISTÓRICO



OUTROS SITES
 Pela Estrada Afora...
 Todas as Artes !
 em manutenção , blog da ana moraes
 Grupo Ubacunhã
 blogdoquinto
 MPBN poesia bahiana
 no busão com a trupe - Blog da Trupe Sinhá Zózima
 blog do tyler - confie nele!!!
 Terras de Cabral
 Blog da Clarah Averbuck
 Blog do Rafael Ferro
 Blog Bueno
 Blog Veronika Mendez
 blog do Vini
 Projeto Cachuera


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!